O que ponderar antes de pedir crédito

Que as coisas não estão fáceis no país todos sabemos e que num futuro próximo só vão piorar também não é novidade. Por isso, convém alertar para todos os perigos de optar por uma rota que eventualmente possa liquidar as suas finanças pessoais – e a sua vida, por consequência – ou lançá-lo para uma espiral de difícil libertação, como aquela que caracteriza a maioria dos financiamentos bancários actuais. 1. Procure alternativas às instituições credoras, tendo estas como o último recurso. A vida está complicada, como se sabe, mas não custará nada questionar os seus familiares ou amigos sobre a possibilidade de lhe fazerem o empréstimo que necessita. Não só fica livre dos custos impostos por aquelas entidades como evita criar um rasto de papéis que registam todos os passos dados, numa altura em que a privacidade é crescentemente um bem raro, sobretudo posto em causa pelo próprio Estado e pela...

continuar a ler...

Portugueses não comparam preços dos bancos

Os cidadãos nacionais são os que menos cautela têm na escolha de produtos e serviços bancários. Esta é a principal conclusão a retirar de um estudo recentemente divulgado pelo Banco de Portugal (BdP), com o qual o regulador do sector procurou apurar o nível de conhecimento quanto a este género de aplicações. Segundo os dados finais do inquérito, a maioria dos portugueses não compara os preços e condições das diferentes entidades bancárias e raramente procura saber qual a melhor proposta existente no mercado, seja apenas para os comuns créditos ou produtos de investimento e poupança. O mesmo acontece na selecção do banco, escolhido de acordo com aspectos que nada têm a ver com as vantagens que possam apresentar, mas sim consoante critérios de natureza sugestiva e afectiva. A recomendação de amigos ou familiares é uma das principais razões que leva à subscrição de um produto ou serviço bancário (35%), enquanto a localização...

continuar a ler...

Aprenda a fazer uma gestão de crédito correctamente

Em tempos de crise, aumentam os pedidos de crédito, mas também crescem as contra-partidas exigidas pelas entidades que concedem este tipo de financiamento. Por isso, são mais rígidas as regras de atribuição destas ajudas económicas e, em consequência, mais pesadas as acções contra quem não cumpre os pressupostos acordados aquando do pedido de crédito. Por estes motivos, é crucial que se criem estratégias de controlo, para que seja possível monitorizar as acções que se vão praticando, tomando as medidas correctas para que não se excedam os termos do contrato e tenha de se acarretar com consequências que podiam ter sido evitadas. Apesar de não ser do conhecimento de todos – uma vez que a maioria das pessoas solicita crédito sem estudar como este se processa – existem diversas técnicas que ajudam substancialmente a gestão pessoal de um crédito. Grande parte delas são bastante simples de aplicar e não implicam mudanças substanciais...

continuar a ler...

Crédito Consolidado – saiba tudo

Tal como o nome indica, o crédito consolidado tem como objectivo consolidar os diferentes tipos de créditos que uma pessoa possa ter, e fundi-los todos num único crédito de longa duração. Geralmente o crédito consolidado tem como objectivo fundir o crédito automóvel, os micro-créditos e os créditos pessoais de baixa duração, juntamente com um crédito à habitação, e produzir assim uma prestação única mais baixa do que o somatório de todas as prestações correntes. As taxas de juro associadas são geralmente maiores, embora estejam diluídas no total do montante em dívida e também no número de prestações a pagar, pelo que o valor final será sempre mais baixo do que aquele que mantinha com as diferentes prestações fixas. Realidade do crédito hipotecário O crédito hipotecário é uma das formas mais exequíveis de conseguir um crédito consolidado, fundindo não apenas o crédito à habitação, mas também o crédito automóvel, ou um empréstimo...

continuar a ler...