Crédito pessoal com problemas bancários

As alternativas de financiamento individual são cada vez mais variadas mas a probabilidade de se ver aprovado um empréstimo tem vindo a reduzir-se significativamente em virtude de os clientes que solicitam este género de apoio monetário nem sempre reunirem as condições necessárias para que tal lhe seja concedido. Um desses obstáculos que impede dar “luz verde” a boa parte das requisições está ligado a dificuldades ocorridas na sequência de contractos anteriores, pelo que na eventualidade de este ser o caso em que se encontra lhe facultamos de seguida conselhos bastante úteis para que obtenha um crédito pessoal mesmo com problemas bancários e usufrua de todas as vantagens a ele associadas. Exponha a sua situação Ao dirigir-se às entidades financiadoras não tenha vergonha de explicar o cenário que levou ao seu incumprimento no passado. Procure ser transparente no que diz respeito aos motivos da falha de compromissos registada em tempos idos e certamente...

continuar a ler...

Crédito diminui mas o malparado aumenta

Como se sabe, os bancos têm estado a apertar nos processos de concessão de crédito e o mês de Julho não foi excepção. Os empréstimos concedidos às famílias voltaram a diminuir, mas mesmo assim o crédito malparado continuou a aumentar, superando agora os 15 mil milhões de euros, segundo dados do Banco de Portugal. Os empréstimos à habitação diminuíram 2,4% em Julho relativamente a igual periodo do ano passado. O crédito ao consumo, por sua vez, caiu ainda mais para os 7,1%. Desde Agosto de 2011 que a variação homóloga (relativa ao mesmo mês do ano anterior) do crédito concedido aos particulares é negativa. Os empréstimos tanto a particulares como a empresa encolheram em todas as regiões do país, com excepção de Lisboa, onde se registou um crescimento de 1,0% em relação ao ano passado e 3,4% em relação a Julho de 2010. No resto do país, houve quebras acentuadas, com a maior a...

continuar a ler...

Deveres dos detentores de crédito ao consumidor

Um dos aspectos mais comuns de qualquer acordo é o facto de incluir contrapartidas favoráveis às partes que neles estão envolvidas e que correspondem habitualmente aos pólos dos direitos e deveres. Isto porque naturalmente tem de existir entre os outorgantes do contrato um laço de responsabilidade que assegure o cumprimento dos pressupostos subjacentes à aceitação mútua das condições subscritas para que pacto se concretize sem obstáculos que impeçam a sua pacífica realização. No presente artigo iremos exactamente centrar as atenções naquele segundo aspecto em relação ao tema central deste site, o que significa destacar informações determinantes relativas aos deveres dos detentores de crédito ao consumidor antes e depois de assinado o contrato. Esses dados vêm assim complementar o anterior texto subordinado à outra face desta questão dos encargos contratuais, os direitos que assistem aquele agente. Quer esteja a considerar recorrer a empréstimos desta natureza...

continuar a ler...

O que deve saber antes de recorrer ao crédito

Contrair financiamento bancário tornou-se uma atitude normal um pouco por todo o mundo e muitos são aqueles que vêm este auxílio monetário como algo corrente de que se deve usufruir. Porém, a verdade é que o crédito é um compromisso sério que deve ser bastante ponderado, pois as implicações de tirar partido deste mecanismo sem que se possuam as condições adequadas podem ser absolutamente devastadoras, o que será fatal num momento em que a economia é desculpa para todos os ataques orçamentais perversos ao nível e qualidade de vida dos portugueses. Nesse sentido, apresentamos-lhe hoje um artigo no qual sublinhamos o que deve saber antes de recorrer ao crédito para que tenha atenção aos aspectos mais importantes que a este dizem respeito. Assim terá em sua posse toda a informação essencial para avaliar correctamente as suas hipóteses de subscrever este préstimo bancário sem que tenha de vir a comprovar da forma...

continuar a ler...

Crédito para momentos de lazer

Um estudo, encomendado pela Mastercard, revela que, apesar da crise, muitos portugueses continuam a endividar-se para ir de férias ou para fazer viagens. Mesmo num ano em que houve uma quebra na adesão a cartões de crédito, o pagamento de férias e viagens foi a categoria que registou o maior aumento. Foram cerca de mais 3,6% os portugueses entrevistados, que revelaram ter utilizado pelo menos um cartão de crédito para financiar momentos de lazer, face a um idêntico período do ano passado. O estudo da Mastercard, intitulado «Comportamento Financeiro dos Particulares em Portugal 2011», foi divulgado esta terça-feira e mostra ainda que o mercado português é maioritariamente de débito - 86,8% dos portugueses com mais de 15 anos têm um cartão de débito e 95,6% deles, utilizam-no com regularidade. Isto contra os 59,6% dos utilizadores que dão uso regular aos cartões de crédito - o equivalente a um decréscimo de 15,1% em...

continuar a ler...

Dicas para conseguir o melhor crédito possível

O mercado do financiamento está na sua pior fase de sempre, disso não há dúvidas, mas a verdade é que são as entidades do sector as principais responsáveis pela situação a que se chegou. Após vários anos, ou melhor, décadas de concessão de créditos com poucos ou nenhuns cuidados, as perspectivas mudaram e o resultado é a subida consecutiva do malparado em Portugal, num ritmo que não deverá abrandar tão cedo. Contudo, apesar do cenário negro que se avizinha as empresas que subsistem à custa dos créditos mantêm uma procura por interessados, assim como os bancos, ainda que estes últimos dirijam sobretudo as suas preferências para os seguros depósitos a prazo. A atribuição é bastante mais reduzida do que até este ponto e as circunstâncias levaram os potenciais clientes a adoptarem uma nova posição que consiste em estudar todas as alternativas existentes no mercado para se conseguir um bom crédito. Se porventura...

continuar a ler...