Pagar as férias a prestações

Um dos avanços mais significativos no financiamento a particulares foi sem dúvida a criação dos empréstimos, uma forma simples e imediata de colocar nas mãos do consumidor uma determinada quantia monetária para finalidades específicas a troco de compensação por esse adiantamento, os juros. Esse é precisamente o aspecto mais crucial deste produto nascido na banca, ao qual muito se deve o crescimento do volume de negócios no sector.

Outro dos desenvolvimentos de salutar nesse particular foi o encetar da oferta concreta para os variados fins possíveis, desde a aquisição de habitação permanente à compra de carro ou início de empresa própria. No entanto, será no crédito para férias que nos focaremos no corrente artigo, pois em tempo de crise é sempre benéfico conhecer as oportunidades que temos à nossa disposição para sair um pouco da rotina e usufruir do merecido descanso após meses de árduo trabalho.

Eventualmente já se terá deparado com um pacote turístico absolutamente irresistível em que o destino de sonho parece estar ao seu alcance mas lhe falta uma pequena verba que separa a fantasia da realidade. E se lhe dissessem que podia agarrar essa desejada ocasião sem grandes custos adicionais? Seria capaz de fazer um esforço acrescido para oferecer um presente a si mesmo e/ou à sua família? Se a resposta for positiva, então, continue a ler o presente texto.

A primeira questão a considerar no momento da avaliação das propostas de financiamento é relativa aos juros, aspecto que mais influenciará o montante total imputado ao consumidor (MTIC). Nesse sentido, analisar as alternativas tendo esta característica no centro do estudo é fundamental, pelo que à partida diversas hipóteses serão colocadas de fora dado o excessivo peso deste tributo ou destacar-se-ão pela positiva caso disfrutarem de taxa zero.

Embora as melhores propostas se encontrem ao alcance de qualquer um há que procurá-las no momento certo (longe dos períodos de época alta, nomeadamente das datas especiais) e tentar fazê-lo antecipadamente, pelo menos no que respeita às ofertas de cunho bancário, já que é habitual o lançamento de campanhas com empréstimos bonificados para as alturas menos concorridas de cada destino de férias. Contudo, os operadores turísticos possuem em diversas ocasiões promoções únicas que abrem a possibilidade de o cliente pagar as viagens em suaves mensalidades sem qualquer custo acrescido, vantagem que deve ser aproveitada pois não irá implicar despesas acrescidas e tornará substancialmente mais fácil a sua liquidação.

Se não quer perder uma boa oportunidade de relaxar durante uns dias mas lhe é impossível a liquidação do valor do pacote turístico em questão de uma só vez, pagar as férias a prestações poderá ser o caminho a seguir. Para avaliar qual a alternativa mais adequada ao seu caso basta analisar as propostas à sua disposição e fazer as devidas contas. Seguramente que chegará a uma conclusão inequívoca. Depois é só agir em conformidade com esses resultados.

Deixe uma resposta