Empréstimo particular com problemas bancários

O sistema financeiro já não é o que era e muito tem mudado desde o início da crise económica e da guerra entre o dólar e o euro. É verdade que poucos admitem que tal está a acontecer mas é notória a realidade. No entanto, o que interessa para quem necessita de recorrer às entidades do sector é saber porque razão é tão difícil obter um crédito hoje em dia e que esforços se podem fazer com vista a alcançar um empréstimo particular com problemas bancários que tenham resultado de ocorrências anteriores. A primeira parte da questão é fácil de responder: só as pessoas com um histórico bem positivo e rendimentos estáveis são elegíveis para os novos financiamentos. Quanto à segunda, e mais pertinente interrogação face ao enorme endividamento das famílias, a solução é algo complexa mas totalmente resolúvel, pois embora o empenho tenha de ser absoluto nesse caso irá produzir...

continuar a ler...

Crédito fácil acabou!

Ficou evidente que os Bancos estão sem crédito para dar. Tal deverá até sido a principal motivação para Portugal ter pedido ajuda à Europa. Mas para além do empréstimo de dinheiro ao Estado e empresas, os bancos também vão fazer fortes restrições ao crédito ao consumo. O economista Silva Lopes, referiu-se recentemente ao crédito ao consumo, como sendo um produto estritamente relacionado com a importação, e como tal devendo ser sujeito a um corte na actual conjuntura financeira que vivemos. De acordo com Silva Lopes, é necessário colectar de forma mais gritante o crédito ao consumo, de maneira a torná-lo ainda menos apetecível. Silva Lopes defendeu ainda o aumento de alguns impostos especiais, na Conferência Novas vestes da União Europeia, levada a cabo há alguns dias na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. O argumento de Silva Lopes passar pela ideia, de que emprestando menos às famílias em crédito...

continuar a ler...

Como obter melhores condições de crédito

Cada vez mais é importante saber negociar as condições para um crédito, seja ele de que tipo for. As diferenças entre diferentes instituições bancárias podem ser grandes. Aconselhamos por isso que escolha três ou quatro Bancos para comparar as condições de pagamento e as taxas associadas ao crédito. Deve ter em atenção créditos especiais que possam existir, como por exemplo o crédito automóvel, porque por vezes têm melhores condições para produtos financeiros específicos e podem estar em promoção. Quando tiver uma ideia de quais as condições que os Bancos oferecem tente negociar o seu crédito tendo em conta os seguintes factores: Relação com o Banco: quantos mais produtos tiver num Banco, mais baixa será a sua taxa de juro; Garantia: tente ter alguém que se responsabilize no caso de não conseguir pagar a tua dívida (fiador); Prazo de pagamento: quanto maior for o prazo de pagamento do empréstimo mais baixa será a prestação; Montante...

continuar a ler...

Escolha o crédito pessoal mais eficaz

Os problemas económicos das famílias portuguesas não são novidade e pior ficaram nos últimos meses após o avanço de novas medidas de austeridade, cuja implementação veio complicar as contas de muitos cidadãos. Alguns são mesmo incapazes de resistir ao crédito, seja justificada ou injustificadamente, o que torna bastante mais complicado a sustentação dos orçamentos e o fim do malparado recorde verificado em Outubro. As finanças pessoais estão agora menos simples de orientar e a ginástica para conseguir esticar o dinheiro até ao final do mês complicou-se. É por esse motivo que os pedidos de crédito mais do que duplicaram nos últimos seis meses, acompanhando a subida das dívidas a credores devido às impossibilidades de cumprimento dos acordos assinados. Uma das principais razões dos níveis históricos do malparado está directamente ligada à alteração das justificações que levam aos pedidos de crédito. Contrariamente ao que sucedia, as pessoas começam agora a solicitar financiamento bancário...

continuar a ler...

Portugueses não comparam preços dos bancos

Os cidadãos nacionais são os que menos cautela têm na escolha de produtos e serviços bancários. Esta é a principal conclusão a retirar de um estudo recentemente divulgado pelo Banco de Portugal (BdP), com o qual o regulador do sector procurou apurar o nível de conhecimento quanto a este género de aplicações. Segundo os dados finais do inquérito, a maioria dos portugueses não compara os preços e condições das diferentes entidades bancárias e raramente procura saber qual a melhor proposta existente no mercado, seja apenas para os comuns créditos ou produtos de investimento e poupança. O mesmo acontece na selecção do banco, escolhido de acordo com aspectos que nada têm a ver com as vantagens que possam apresentar, mas sim consoante critérios de natureza sugestiva e afectiva. A recomendação de amigos ou familiares é uma das principais razões que leva à subscrição de um produto ou serviço bancário (35%), enquanto a localização...

continuar a ler...

Acende a discussão da polémica cláusula dos spreads

Semanas depois da denúncia de que alguns bancos estavam a incluir um pressuposto da subida unilateral dos spreads nos novos contratos, realizada pela Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores (DECO), o Banco de Portugal (BdP), entidade reguladora do sector nacional, afirma que não se pode pronunciar acerca desta matéria, frisando que compete aos tribunais viabilizar ou não a mesma, dado que esta questão é de âmbito judicial, conclui em comunicado divulgado à imprensa. Face aos novos desenvolvimentos da polémica cláusula dos spreads, um conjunto de instituições bancárias já se manifestaram, dando a conhecer a sua posição actual. As decisões oscilam entre “equacionar a situação”, “analisar a realidade económica” e “não pensamos em aplicar a medida”, ainda que permaneça o silêncio quanto a poder ser aplicada aquela controversa condição no futuro (caso a sua viabilização se venha a verificar), sobretudo da parte dos bancos que segundo a DECO incluem presentemente a...

continuar a ler...