As novas regras das comissões bancárias

Segundo explicou o Secretário de Estado Adjunto da Economia, António Almeida Henriques, os bancos passam a poder cobrar apenas uma comissão bancária por cada prestação em atraso, em vez das actuais comissões sucessivas - que muito pesavam sobre os incumpridores, chegando a ultrapassar muitas vezes o valor da prestação mensal. Estas novas regras vão beneficiar desde já 750 mil famílias e empresas com créditos em atraso. O Governo aprovou em Conselho de Ministros o último pacote legislativo fundamental no que toca à protecção dos consumidores endividados. Entre as principais novidades estão o limite aos juros de mora e o fim das comissões bancárias abusivas por situações de incumprimento, medidas que irão beneficiar tanto famílias como empresas. Ou seja, a medida abarca desde já mais de 65 mil empresas e quase 680 mil famílias com créditos em atraso. Esta lei entra em vigor 120 dias após a sua publicação, o que deverá...

continuar a ler...

Crédito diminui mas o malparado aumenta

Como se sabe, os bancos têm estado a apertar nos processos de concessão de crédito e o mês de Julho não foi excepção. Os empréstimos concedidos às famílias voltaram a diminuir, mas mesmo assim o crédito malparado continuou a aumentar, superando agora os 15 mil milhões de euros, segundo dados do Banco de Portugal. Os empréstimos à habitação diminuíram 2,4% em Julho relativamente a igual periodo do ano passado. O crédito ao consumo, por sua vez, caiu ainda mais para os 7,1%. Desde Agosto de 2011 que a variação homóloga (relativa ao mesmo mês do ano anterior) do crédito concedido aos particulares é negativa. Os empréstimos tanto a particulares como a empresa encolheram em todas as regiões do país, com excepção de Lisboa, onde se registou um crescimento de 1,0% em relação ao ano passado e 3,4% em relação a Julho de 2010. No resto do país, houve quebras acentuadas, com a maior a...

continuar a ler...

Crédito ao consumo afunda ainda mais

Os efeitos da crise não param. O crédito ao consumo continua a descer e no primeiro trimestre deste ano desceu 33,2%, atingindo 842 milhões de euros, anunciou a Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC). Face ao último trimestre do ano passado a queda foi de 14,4%, sendo que tudo indica que esta tendência negativa deverá continuar até ao final do ano, segundo a comunicado da ASFAC, “Estes indicadores eram já expectáveis, devido à situação económica que o país atravessa”. O consumo das famílias é uma das componentes da economia que está a registar maiores quedas este ano, devido ao impacto das medidas de austeridade nos rendimentos das famílias. A este facto, acresce que as taxas de juro estão mais elevadas para este tipo de créditos, devido à escassez de financiamento. A ASFAC salienta ainda que “todos os tipos de crédito sofreram reduções, destacando-se o crédito clássico e o...

continuar a ler...

Crise no crédito a particulares continua

A crise no crédito continua e não há sinais de que o mercado possa mudar. O Banco de Portugal apresentou hoje os dados do crédito, que mostram claramente que os empréstimos dos bancos a clientes particulares e empresas caíram em Janeiro face a Dezembro. De acordo com o Boletim Estatístico do BdP, os empréstimos concedidos pela banca portuguesa às famílias representavam 138,979 mil milhões de euros em Janeiro. No crédito a clientes particulares, em Janeiro, a maior fatia foi para o crédito à habitação, que representou 112,694 mil milhões de euros, seguido do crédito ao consumo, com 14,725 mil milhões de euros. O crédito para outros fins representou 11,560 mil milhões de euros. Assim, comparando, em Janeiro, os empréstimos a clientes particulares caíram 0,48% face a Dezembro, e 2,09% face ao mês homólogo de 2011. O peso dos créditos malparados, que totalizou em Janeiro 4.782 milhões de euros, é...

continuar a ler...

Plano de Acção para o Risco de Incumprimento

Hoje foram apresentadas pelo Governo, um conjunto de medidas legislativas, a implementar até ao Verão, para apoiar o consumidor e para reduzir os atuais níveis de endividamento das famílias. Estas medidas consubstanciam-se na criação de um novo regime jurídico que regulará, de forma integrada, a gestão do risco e da ocorrência de incumprimento de contratos de crédito celebrados com os consumidores, de modo a prevenir a sua materialidade e, quando tal não seja possível, a estimular e a viabilizar a recuperação extrajudicial dos créditos. Em declarações à agência Lusa, Almeida Henriques, o secretário de Estado Adjunto e Desenvolvimento Regional, disse que estas medidas "levam a uma maior responsabilização dos bancos, mas também os protegem". "Os bancos passarão a estar obrigados a avisar o consumidor sempre que este entre numa situação de sobreendividamento e, ao mesmo tempo, a apresentarem um plano de recuperação em consonância com esse mesmo consumidor", sustentou. As...

continuar a ler...

Cetelem ensina conceitos financeiros a jovens

São cerca de 30 as escolas do ensino secundário da Grande Lisboa e Grande Porto que aceitaram o desafio do Cetelem. Nestas escolas decorrerão sessões de literacia financeira: no total, perto de três mil alunos irão receber formação sobre conceitos como rendimento, consumo, crédito e poupança. Estas acções decorrerão até maio de 2012. Esta iniciativa é promovida de forma gratuita pela equipa do Provedor do Cliente Cetelem. Uma iniciativa que, pelo segundo ano consecutivo, "pretende dotar os jovens alunos de conhecimentos que lhes possam ser úteis na gestão do dinheiro e na tomada de decisões no consumo". A exemplo da última edição, a adesão das escolas a estas sessões superou as expectativas da empresa que, consciente de que "a educação financeira é um tema cujos conteúdos não são alvo de inclusão nos planos curriculares atuais", considera que a literacia financeira dos jovens "é uma preocupação que deve ser partilhada por...

continuar a ler...