Descubra como escolher um crédito particular

Os financiamentos concedidos são crescentemente escassos comparativamente aos registos do passado recente e as oportunidades de se ser um dos beneficiários é bastante reduzida. Ainda assim, os empréstimos continuam a ser “oferecidos” em larga escala, em Portugal, mantendo-se, por isso, a necessidade de os potenciais clientes terem de efectuar uma boa selecção para se conseguir o melhor negócio possível.

A tarefa de perceber qual o financiamento mais adequado a cada situação não é simples. No entanto, está longe de ser impossível. Basta prestar atenção à publicidade e rapidamente se irá concluir que não faltam ocasiões de se obter o empréstimo desejado, contudo, e dada a variedade de alternativas disponíveis no mercado, como escolher um crédito particular? De que forma podemos usufruir de tal diversidade e sair a ganhar? Fácil. Seguindo quatro etapas elementares: pesquisa, identificação, avaliação e, finalmente, a subscrição.

1. Pesquisar
O passo inicial consistirá numa pesquisa atempada tendo em vista recolher todas as propostas que lhe possam interessar mediante o grau de adaptabilidade ao que pretende. Quer isto dizer que deve realizar esforços no sentido de procurar as alternativas ao seu alcance, assinalando desde logo aquelas cujas características se ajustem ao tipo de financiamento ambicionado.

2. Identificar
Após descobertas as possibilidades ao seu dispor é tempo de fazer uma segunda selecção que complete a primeira diferenciação das opções mais adequadas e que basicamente servirá para limitar ainda mais a variedade de créditos sobre os quais irá debruçar-se pormenorizadamente o candidato a subscritor. Significa isto que, cumprida esta etapa, só devem restar dois ou três financiamentos possíveis, já que essa é a quantidade ideal para que se realize uma avaliação coerente e exaustiva o suficiente para se determinar qual o melhor sem que restem dúvidas.

3. Avaliar
A penúltima fase na escolha dos créditos particulares é imprescindível, à semelhança das anteriores, no entanto, assume contornos de importância superior pelo facto de representar a derradeira fronteira entre a consideração das alternativas e a contracção. Portanto, merece um cuidado redobrado, pois é neste estágio que colidem todas as informações recolhidas para se aferirem quais as vantagens e desvantagens de cada hipótese, processo do qual se extraem as conclusões que por seu turno revelam a proposta ideal.

4. Subscrever
A etapa final será tão bem-sucedida quanto melhor efectuadas forem as precedentes fases. Apenas a junção de uma boa pesquisa com identificação criteriosa das possibilidades e consequente correcta avaliação permitirão a subscrição do financiamento mais vantajoso, já que perceber o que o mercado oferece, seleccionar o que é proveitoso e determinar qual o caminho apropriado a seguir é bastante mais complicado que firmar um contrato. No entanto, manter-se alerta é igualmente fulcral no momento da assinatura do acordo, sobretudo para verificar se as condições anunciadas e/ou previamente oferecidas não foram distorcidas no documento que lhe é facultado para assinar. Por isso, permaneça totalmente vigilante e confirme sempre o mais ínfimo detalhe. Seja persistente, cauteloso e veja assim aumentadas as probabilidades de agarrar oportunidades únicas no âmbito dos créditos particulares, e não só.

Deixe uma resposta