Crédito pessoal com problemas bancários

As alternativas de financiamento individual são cada vez mais variadas mas a probabilidade de se ver aprovado um empréstimo tem vindo a reduzir-se significativamente em virtude de os clientes que solicitam este género de apoio monetário nem sempre reunirem as condições necessárias para que tal lhe seja concedido. Um desses obstáculos que impede dar “luz verde” a boa parte das requisições está ligado a dificuldades ocorridas na sequência de contractos anteriores, pelo que na eventualidade de este ser o caso em que se encontra lhe facultamos de seguida conselhos bastante úteis para que obtenha um crédito pessoal mesmo com problemas bancários e usufrua de todas as vantagens a ele associadas.

Exponha a sua situação
Ao dirigir-se às entidades financiadoras não tenha vergonha de explicar o cenário que levou ao seu incumprimento no passado. Procure ser transparente no que diz respeito aos motivos da falha de compromissos registada em tempos idos e certamente que terá mais a ganhar com isso, pois passará uma imagem muito positiva de honestidade para a empresa que avalia o seu pedido, algo que naturalmente se assume como um ponto a seu favor.

Escolha acertada: crédito com ou sem garantia
Tal como sucede nos diversos financiamentos actuais, o crédito pessoal possui modalidades com e sem garantia, sendo a primeira mais indicada para as pessoas com problemas bancários, já que lhes permitirá uma folga maior. Enquanto o crédito pessoal com garantia pressupõe um fiador ou bens dados como segurança, o crédito pessoal sem garantia não tem exigências dessa ordem. No entanto, havendo histórico de incumprimento prévio, a melhor alternativa é sem dúvida enveredar pela via assegurada, uma vez que terá custos menores (sobretudo juros mais baixos) para o cliente, na medida em que representará um risco circunscrito para quem concede o empréstimo.

Negocie os termos contractuais
Atendendo aos dois conselhos mencionados é importante realçar o passo subsequente: utilizar aquilo em que ambos se traduzem em benefício próprio. Quer isto dizer que sendo verdadeiro na exposição da situação responsável por incumprimentos no passado e oferecendo garantias colaterais na subscrição do financiamento tem o direito a transformar estes aspectos de considerável valor em argumentos que devem ser chamados à discussão dos contornos do acordo. Por isso, esforce-se no sentido de negociar as condições do novo crédito pessoal focando-se mais no que está disposto a oferecer no presente ao invés de centrar as atenções nos problemas bancários anteriores. Seja honesto e firme na defesa da sua posição. Não deixe que as contrariedades de outrora o condicionem nos dias de hoje.

Deixe uma resposta